domingo, 11 de março de 2018

SE LIGA! DIA “D” DA BNCC PODERIA SER O DIA DO DIREITO À EDUCAÇÃO


SE LIGA  ! O DIA “D” DA BNCC 

PODERIA SER O DIA DO DIREITO À EDUCAÇÃO

Por Marli Dias Ribeiro





No dia 6 de março de 2018 o Ministério da Educação chamou professores, gestores, secretarias de Estados,  e a comunidade para discutir a Base Nacional Comum Curricular. Aprovada em dezembro de 2017 para a Educação Infantil e Ensino Fundamental, o documento será a principal referência para que todas as escolas brasileiras organizem seus currículos, livros, organização pedagógica e avaliações. A base do Ensino Médio ainda está em discussão e deve ser concluída esse ano.
Cabe destacar que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) está organizada em 10 competências, chamadas Competências Gerais da Base Nacional Comum Curricular. No documento a parte introdutória apresenta as competências a partir de direitos éticos, estéticos e políticos. São apontadas nas competências um conjunto de conhecimentos, habilidades, atitudes e valores a serem trabalhados por todas as escolas. Seguem abaixo  as 10 competências:
1.       Conhecimento
2.     Pensamento científico crítico e criativo
3.     Repertório cultural
4.     Comunicação
5.     Cultura digital
6.     Trabalho e projeto de vida
7.     Argumentação
8.     Autoconhecimento e autocuidado
9.     Empatia e cooperação
10. Responsabilidade e cidadania
As competências estão organizadas em dimensões e subdimensões que serão trabalhadas ao longo de todo ensino de forma transdisciplinar. Para disseminar a base, o Ministério da Educação,  preparou um material de apoio* para ser distribuído e estudado em todo país, no chamado dia “D”. Não estamos aqui descartando todas as reflexões e os debates que construíram e organizaram a BNCC, entretanto, sua simples implementação não garante a qualidade almejada no ensino, precisamos avançar ainda até em condições básicas como a infraestrutura. As várias críticas ao documento giram em torno de uma rigidez na proposta que pode “obrigar” todos a seguiram alinhados às competências indicadas. Por que os Parâmetros Curriculares existentes não foram totalmente implementados, e passamos a essa base?
Outra questão, parece ser o fato de que as avaliações nacionais estarão atreladas à base, e os Estados irão se planejar para não ficarem na lista dos fracassados nas provas nacionais, tais como Prova Brasil, ANA, Provinhas Brasil, o que obriga, de certa forma,  os Estados a aplicarem a BNCC. Com que liberdade o Estado irá criar seu próprio currículo se será avaliado pelas competências da base?
Os debates acerca da implementação da base não retiraram dela as questões polêmicas. A participação divulgada pelo governo nos debates sobre o documento serviu como propaganda para incentivar a adoção do projeto, mas parece que ainda  temos um longo caminho a traçar.
Uma política educativa que transforme a realidade nacional está muito além da base. Será mesmo tão importante esse processo? Que ideologias estão inseridas nesse contexto? Os educadores estão participando dos debates de forma crítica? As competências debatidas estão alinhadas às realidades dos alunos? Como será a formação docente antes e depois da Base?
O dia “D”, penso eu,  poderia ser o dia do DIREITO, direito a mais recursos na escola, direito a mais formação de professores, a mais profissionais de apoio, a mais livros, a mais vontade política de fazer um país com dias melhores para todos os alunos. O dia “ D” da educação será o dia que ela, seja direito de todos, e para todos. O dia "D", será o dia em que o debate seja adotar  a educação como prioridade.

6 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. Excelente reflexão Marli, a alguns dias atrás conversava com nossa equipe pedagógica de como deveriamos fazer para não ficarmos para trás, uma vez que não percebi por parte da SEDF muita interação sobre BNCC, vejo outras UF mais aplicadas à temática, por conseguinte tendem a obterem melhores resultados.

      O fato neste momento é buscar conhecer mais profundamente o conteúdo e espírito da lei que instituiu a BNCC, e nos fóruns adequados encaminhar se for o caso o devidos ajustes.

      De maneira prática vamos conhecer e formentar os debates.

      Forte abraço!

      Nilvan Vasconcellos

      Excluir

  2. Excelente reflexão Marli, a alguns dias atrás conversava com nossa equipe pedagógica de como deveriamos fazer para não ficarmos para trás, uma vez que não percebi por parte da SEDF muita interação sobre BNCC, vejo outras UF mais aplicadas à temática, por conseguinte tendem a obterem melhores resultados.

    O fato neste momento é buscar conhecer mais profundamente o conteúdo e espírito da lei que instituiu a BNCC, e nos fóruns adequados encaminhar se for o caso o devidos ajustes.

    De maneira prática vamos conhecer e formentar os debates.

    Forte abraço!

    Nilvan Vasconcellos

    ResponderExcluir
  3. A BNCC vem ampliar o debate acerca do currículo que queremos. Sabemos que a educação e um espaço de reflexão e debates. Não podemos ficar de fora.

    ResponderExcluir

Obrigada por sua visita.

SAEB 2019 : DICAS E NOVIDADES

NOVIDADES DO SAEB  2019 Por Marli Dias Ribeiro A previsão é que mais de sete milhões de estudantes, professores e dir...

LEIAM TAMBÉM...